É HORA DE O BRASIL APROVEITAR A DOR PARA MUDAR DE DIREÇÃO E MELHORAR: o sofrimento não pode ser em vão

 
Por Rubens Teixeira*
 
Impossível o brasileiro médio não entender porque há tanta miséria e desgraça no Brasil, mesmo sendo um país rico. Deste entendimento obtido nos últimos acontecimentos, fica claro que, em muitos casos, para ocupar cargos políticos importantes (ministros, secretários de governos etc.), um dos requisitos exigidos por alguns governantes é a desonestidade: alguém que “topa tudo pelo cargo”.
 
Quando um governante chama um desonesto ou despreparado para compor seu governo é porque quer, voluntariamente, correr o risco de práticas nocivas à sociedade. Se faz conscientemente, ou não age quando fica sabendo, sinaliza ser partícipe ou de alguma forma conivente com a promiscuidade do seu “escolhido”.
 
Por isso, a lição maior é que, para o Brasil mudar, o brasileiro precisa também mudar sua forma de ESCOLHER e COBRAR dos seus representantes. Para isso, necessariamente deve:
(1) não se omitir em política, em especial em período eleitoral;
(2) cobrar firmemente postura e esclarecimentos dos governantes e legisladores;
(3) não se deixar enganar por líderes oportunistas que apóiam corruptos e despreparados e desaparecem na hora mais dura da crise; e
(4) escolher bem seus representantes.
 
Se nem a dor ensinar é porque a racionalidade ou os valores já se deterioraram por completo. Mas parece que o sofrimento está ensinando ao brasileiro. Deve haver uma evolução positiva posterior a este momento difícil para muitos. Vamos aprender a lição de uma vez por todas. Só assim mudaremos o Brasil, fazendo suas riquezas serem usadas em favor do nosso povo. Dignidade é direito de todos, mas, por enquanto, alguns só a conhecem na retórica.
 * Rubens Teixeira é analista do Banco Central do Brasil, ex-diretor financeiro e administrativo da Transpetro, professor, escritor e palestrante. Doutor em Economiaimage (UFF), mestre em Engenharia Nuclear (IME), pós-graduado em Auditoria e Perícia Contábil (UNESA), engenheiro de fortificação e construção (IME), formado em Direito (UFRJ, aprovado na OAB-RJ), bacharel em Ciências Militares (AMAN). Foi um dos ganhadores do Prêmio Tesouro Nacional com trabalho baseado em sua tese de doutorado intitulado: “A Importância da Credibilidade para o Equilíbrio Fiscal: uma avaliação para o caso brasileiro”. É coautor do best seller “As 25 Leis Bíblicas do Sucesso” e do “DESATANDO O NÓ DO BRASIL: propostas para destravar a economia e travar a corrupção.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *